Arquivo da tag: fome

ESTOU FARTO! De tantas fantasias, farturas, falácias..

Estou farto de ouvir “eu fiz a minha parte!”

E quem te disse qual a parte te pertence?

Ou quem te disse que basta cumprir uma parte, sobretudo se a tal parte cumprida nada mas é que uma fagulha do infinito a partir de uma conduta que você escolheu, conforme suas felicitações?

Estou farto do fracasso, do fragmento, do flagelo, da fatia, do frango de feira, do farelo e de tudo que sobra numa festa, num mundo de famintos e fragilizados.

Estou farto de quem diz ter feito, enquanto tudo continua como dantes, como se fosse fossa a céu-aberto. Estou farto de quem havia de ter feito, mas preferiu faturar a sorte e o destino do outro para facilitar a sua existência.

Estou farto de fratricidas, fanfarrões, futriqueiros, fofoqueiros, de fedidos enfiados em qualquer funeral, de fodidos. Estou farto desses que se passam por felizes, mas no fundo são verdadeiros favorecidos e que não sabem o que é o fardo dos infelizes.

Estou farto de tudo que não é fácil, e que ao final revela-se como fenecimento. Estou farto da fiança, irmã gêmea da desconfiança. Estou farto daqueles que fogem dos afazeres e debitam a má-sorte na fé alheia.

Estou farto e fulo de tanta falação enfadonha, furtiva e fugidia, das falanges e dos folgados. Estou farto dos feriados e finais de semana, das fantasias que servem para encobri r as festividades daqueles que furtam a felicidade de tantos que se ferram nas feiras dos dias úteis.

Estou farto de ouvir falar do futuro (festivo ou de fatalidades) sem que se faça no presente.

Estou farto da forçação de barra dos pelegos, dos falidos, dos falsários e das fraudes para a fama.

Estou farto do fusca que não se vê como relíquia, mas de estorvo na pista que te faz frear apressadamente. Mas estou também farto da Ferrari.

Estou farto das farras do boi, da fumaça que dão no dinheiro público, do falatório no lugar comum, da fezinha na sena e das promessas de fatiar com todos os desafortunados em caso de fatura de todas as fezinhas alheias.

Estou farto das firulas no futebol, do frango do goleiro, da fortuna dos cartolas, da fuzarca da torcida, dos favores da arbitragem, do festival de baboseira dos comentaristas, das finanças e fanfarrice da Fifa (…e de todas as equipes que começam com F…).

Estou farto do facebook, do fenômeno da fama efêmera, do festival de futilidades, falsas filosofias e faturamento sobre a fé de folguedos.

Estou farto das favelas, de futricas, de fugas, sejam fantasiosas ou para fazer favor.

Só não farto de ver faltar feijão, frango, farinha, frutas, felicidade  … a quem tem febre e fome. E o que me resta de fé, afiancei em Francisco!


OS MEDOS QUE TEMEMOS (OU DEVERÍAMOS TEMER) EM RAZÃO DA DISTORÇÃO DO SENTIDO DA LINGUAGEM.

O medo é a morte presente e constante, como disse Marilena Chauí. A morte é o medo em essência ou por natureza. Tememos morrer fisicamente e para o mundo. A morte física é o fim material; a morte política é o ostracismo que também engole nossa existência. Arrepiamos com o medo da fome – e toda ausência traz a necessidade vital de um bem perdido –, da miséria, do esquecimento, mas não tememos a avareza, o desperdício, a ganância e toda “sorte” que nos faz usurpadores e desiguais. Tememos ser mais uma vítima da indiferença humana que assola seres semelhantes, porém deixamos de temer sermos indiferentes ante as mazelas sociais e o grito dos desvalidos. Sentimos medo só de pensar em sermos ignorados, mas somos completamente insensíveis quando ignorarmos, porque apreendemos que quem ignora tem o poder de selecionar e depreciar o outro, e que ainda assim poderá ser visto e aceito, independentemente de nossas atitudes.

O medo nos abala, sobretudo quando tememos a bala. Não só o projétil da arma de fogo que rasca a noite (e o dia também), nos becos escuros ou nas praças públicas, varando o espaço vazio até encontrar um corpo para apará-la. Mas não é preciso temer a “bala perdida”, porque daquela que se perde devemos sentir alívio já que não encontrou alvo. Esta se foi e não achou um peito humano para se abrigar. Devemos temer a “bala achada”, sobretudo quando quem a encontra é o médico legista durante a autópsia. Perdido, de verdade, são aqueles que detonam tais projéteis, seja do lado de lá na condição de perseguidos pelas forças de segurança do sistema punitivo, seja do lado de cá, pelos agentes deste sistema e que não medem consequências, simplesmente por seres dotados de armamentos pelo Estado e por isso muitos se acham no direito de agir como bem entendem, porque o fazem em nome do Leviatã, tudo para o bem social (para as “pessoas de bem”, ou seria para as “pessoas de bens”?).

Santos e tremendos equívocos! Medonhos, diria!

Deveríamos temer a linguagem de quem destoa fatos e faz da notícia repertório político e fonte de controle social. A linguagem desvairada e que dá sentido à vida e aos objetos, ainda que para isso seja necessário criar neologismos e distorcer a sua etimologia. Toda linguagem subjetiva, preconceituosa e que inverte o significado das coisas para manterem órfãos aqueles que não enunciam o vernáculo que seus dominadores auto classificam culto e oficial, ao fim considerado como o único válido.

Não existe forma maior de dominação e opressão do que pelo instrumento da palavra, porque menospreza o interlocutor e o torna mudo nos seus anseios. Retira-lhe a oportunidade da conquista e a bravura de sua luta. É a fala que dispara os medos que tornam seres dóceis os ouvintes e servis ao poder dominante.

A mesma fala que atordoa e apavora traz em seguida os arremedos para conter os medos. Nesta sociedade de risco precisamos de protetores e eles se apresentam imediatamente, como a brisa suave depois da tempestade. É a linguagem que o diz e que os apresentam; é o nosso emudecimento que os aceitam e os sacrilizam.

É também pela fala persuasiva, maldosa, sedutora que se diz falar em nome de Deus, alavancando multidões de fiéis a partilhar o que não se tem, na crença de adquirir propriedades e méritos no reino dos céus, já que na terra já não há a percepção de escolhas. Tudo em nome de um Deus com o qual somente os “bem-aventurados” são capazes de dialogar. E é destes céus de onde os arrecadadores dizem ter ouvidos os recados para a coleta.

Entre o céu e a terra a linguagem flutua solta e, uma vez em mão escrupulosas, como infelizmente ocorre com quem a detém, firma-se pronta para encontrar corpos e almas lenientes, porém sempre e necessariamente apavorados.

 

 

Este texto é trecho do artigo de minha autoria: O neoliberalismo não inventou o medo, mas dele se apossou como instrumento de sua mais valia. Em: SILVA, Denival e BIZZOTTO, Alexandre. Sistema Punitivo: o neoliberalismo e a cultura do medo. Goiânia: Kelps, 2012.


O QUE NÃO ESTÁ NOS AUTOS NÃO ESTÁ NO MUNDO! E então, está onde? (da série: Aforismos jurídicos)

Mas espera aí! O mundo não se reduz aos autos. Aliás, o mundo seria muito melhor se não fossem os autos, ou se deles não dependesse.

Sendo então inevitáveis, será que fatos notórios, sentidos socialmente, são imperceptíveis ao juiz se não tiverem registro nos autos? É a ordem principiológica do direito, sobretudo quando assegura os direitos fundamentais, invenções de jusfilósofos e que servem apenas para embelezar o texto constitucional?

E como se revelam os fatos nos autos? Como se vê a riqueza e a pobreza, a fome e o desperdício, a ganância e a miséria, a exploração e a humilhação, os direitos e a indiferença, etc.? Num simples invólucro de papel, num amontoado de páginas que prezam mais o rigor formal do
que as descrições das pretensões?

Como se verifica o desequilíbrio palpável, porém não resumido a termo, entre as partes? É o juiz um agnóstico a ponto de aceitar o princípio da igualdade sob a perspectiva meramente formal: todos são iguais perante a lei?

A quem serve, afinal, o aforismo: o que não está nos autos não está no mundo!? De uma coisa é certa. Em nada serve para aqueles que não têm acesso ao processo, no sentido de efetividade de defesa de seus direitos, porque não conseguem reproduzi-los em formas processuais adequadas, embora em si sejam a própria forma de suas negativas.


RECONVENÇÕES E CONTRADIÇÕES I: a justiça no mundo ao avesso.

  • Por que as forças militares, mesmo quando convocados a participarem de missões de paz, são preparadas para fazerem guerras?
  • Por que países que dispõem de arsenais atômicos e plena liberdade para seu desenvolvimento, censuram e aplicam sanções em outros países que também deseja dispor de recursos nucleares, não necessariamente para armamentos?
  • Por que num mundo globalizado, onde as fronteiras dos países em desenvolvimento e subdesenvolvidos são forçadamente a se abrirem para entrada de produtos manufaturados e capital especulativo, os países ricos abrem suas fronteiras para a matéria prima barata, mas cerram-nas para imigração e circulação de pessoas?
  • Por que se admite, em pleno século XXI, tantas mortes de pessoas pela fome, por doenças com tratamentos possíveis e a baixo custo, enquanto a produção de alimentos supera a necessidade de consumo mundial, e mais, boa parcela é subsidiada e destinada a alimentar máquinas, como o etanol produzido a partir do milho cultivado nos EUA?
  • Por que se investe tanto em segurança pública, combate ao narcotráfico, mas não se criam políticas públicas, com garantia de preço, mercado, estocagem e transporte de produção agrícola em países produtores de coca e maconha, cujos custos seriam infinitamente inferiores e coibiriam, em grande medida, a circulação de substâncias entorpecentes pelo mundo?