RECONVENÇÕES E CONTRADIÇÕES I: a justiça no mundo ao avesso.

  • Por que as forças militares, mesmo quando convocados a participarem de missões de paz, são preparadas para fazerem guerras?
  • Por que países que dispõem de arsenais atômicos e plena liberdade para seu desenvolvimento, censuram e aplicam sanções em outros países que também deseja dispor de recursos nucleares, não necessariamente para armamentos?
  • Por que num mundo globalizado, onde as fronteiras dos países em desenvolvimento e subdesenvolvidos são forçadamente a se abrirem para entrada de produtos manufaturados e capital especulativo, os países ricos abrem suas fronteiras para a matéria prima barata, mas cerram-nas para imigração e circulação de pessoas?
  • Por que se admite, em pleno século XXI, tantas mortes de pessoas pela fome, por doenças com tratamentos possíveis e a baixo custo, enquanto a produção de alimentos supera a necessidade de consumo mundial, e mais, boa parcela é subsidiada e destinada a alimentar máquinas, como o etanol produzido a partir do milho cultivado nos EUA?
  • Por que se investe tanto em segurança pública, combate ao narcotráfico, mas não se criam políticas públicas, com garantia de preço, mercado, estocagem e transporte de produção agrícola em países produtores de coca e maconha, cujos custos seriam infinitamente inferiores e coibiriam, em grande medida, a circulação de substâncias entorpecentes pelo mundo?
Anúncios

Sobre denivalfrancisco

Meu nome é Denival Francisco da Silva. Formado em direito pela PUC-GO e mestrado em direito pela UFPE. Juiz de direito e professor universitário. Poeta e cronista, às vezes. A angústia em conviver com tantas distorções sociais, indiferenças, injustiças, ofensas aos direitos fundamentais, desprezo ao semelhante, e tantas outras formas de indignidade, exige de todo aquele que se incomoda, um lugar de fala. E que bom será se esta fala puder ressoar e se abrir mundo afora. A internet propicia isso, e os blogs têm sido ferramentas extraordinárias para a verdadeira liberdade de expressão, onde cada um coloca em discussão seus temas prediletos. Não inovarei em nada. Com toda certeza outros o fazem melhor. E não ouso afirmar que minha fala, lançada neste espaço cibernético, vá percorrer fronteiras e atrair simpatizantes. Não tenho este poder e jamais esta pretensão. Quero mais a liberdade de expressão e a consciência bastante para enxergar, mesmo no obscurantismo, para não me aquietar diante de farsas. O título do blog – sedições – enseja de início a contraposição. Não significa, porém, que haja uma necessidade simples de divergir, de contrariar, de opor. Sedições, misturando suas letras, dá também decisões que aqui se propõe invertidas ao modo que se vê correntemente. O que pretendo é, não mais, desaguar as palavras que alvoroçam em mim, em burburinhos loucos para serem ouvidos, como quem vê, pensa, reflete e necessita replicar suas críticas e percepções. Espero que os visitantes compartilhem comigo críticas e discussões sobre política, sociedade, direitos humanos, justiça e um pouco de prosa e poemas. Sejam bem-vindos! Ver todos os artigos de denivalfrancisco

Uma resposta para “RECONVENÇÕES E CONTRADIÇÕES I: a justiça no mundo ao avesso.

  • Olavo Camilo Fávaro

    “Estou farto do lirismo comedido
    Do lirismo bem comportado
    Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
    protocolo e manifestações de apreço ao Sr. Diretor.
    Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o
    cunho vernáculo de um vocábulo.
    Abaixo os puristas”

    Assim como vc bem colocou em suas contestações em forma de poesia, estes versos do grande Bandeira fundamenta tudo o que sinto ao conhecer este seu blog. Parabéns!